Instagram

Ajude-nos

Você sabia que qualquer pessoa pode publicar neste site, mas que todo custo é pago apenas pelo editor?
Se deseja ajudar este projeto, pode fazer doações de qualquer valor, mesmo poucos centavos, por meio de depósito em poupança da Caixa Econômica Federal. Anote ai!

Banco: Caixa Economica Federal [104]
Favorecido: Silvio de Souza L Júnior.
Agência: 1340
Operação: 013
Conta Poupança: 809559-4

Rua 44 SEUADVOGADO 200x600
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Os deputados e senadores nunca se importaram com a causa gay. As pouquíssimas vitórias alcançadas, como o reconhecimento da União Estável Homoafetiva aconteceu graças a uma decisão do Supremo, que apesar de ter peso, na verdade, até agora nenhuma linha da lei foi mudada.

Hoje os deputados estão fazendo uma propaganda sobre a PL122 que dizendo que irá proteger os homossexuais da discriminação,

Mas esta lei sendo aprovada, nada irá mudar para a vida dos homossexuais. Eles continuarão tendo que buscar socorro no judiciário sempre que desejarem proteger algum direito patrimonial, como a partilha, a herança e a pensão em caso de morte do companheiro.

Se os Deputados tivessem realmente preocupados com os homoafetivos, criariam na lei, condições para que estes tivessem direitos iguais: e o casamento civil em cartório! Por que não?

Mas os parlamentares são covardes, não têm coragem de enfrentar a massa fanática, e por conta dos votos. Cada dia mais pastores são eleitos com milhares de votos, e muitos votos, em especial os da Igreja Católica, são direcionados aos fieis, sendo intimamente ligados o PT, que a cada dia está mais sujo do que nunca.

A PL122 não diz que o homossexual é ser humano como qualquer um de nós. Ela só diz que ‘não pode bater neles’. Mas a possibilidade de punição já existe, e se não é qualificando algumas vezes como crimes de ódio, acontece apenas por ignorância dos operadores do Direito.

Torço para que a PL122 não seja votada antes do reconhecimento do casamento civil homoafetivo em cartório, pois então estaríamos criando discriminação no texto da lei. Daria início a uma espécie de Estatuto do Gay. Lembrando que em nosso ordenamento existe o Estatuto da Criança e adolescente, e do idoso. Mas o Gay não é insuficiente, e não deve ter o resguarde aplicado a criança e ao idoso. Ninguém quer ser resguardado em seu espaço, mas respeitados no mundo.

Estabelecer diferenças, mesmo na Lei, nada mais é do que discriminação, cuja consequências é sempre mais preconceito.

Leia mais em http://silviolobo.com.br