Instagram

Ajude-nos

Você sabia que qualquer pessoa pode publicar neste site, mas que todo custo é pago apenas pelo editor?
Se deseja ajudar este projeto, pode fazer doações de qualquer valor, mesmo poucos centavos, por meio de depósito em poupança da Caixa Econômica Federal. Anote ai!

Banco: Caixa Economica Federal [104]
Favorecido: Silvio de Souza L Júnior.
Agência: 1340
Operação: 013
Conta Poupança: 809559-4

Rua 44 Anunciar 600x300

Avaliação do Usuário: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

 "Descansem o meu leito solitário

Na floresta dos homens esquecida,

À sombra de uma cruz , e escrevam nela:

-Foi poeta, sonhou e amou na vida."

("Lembrança de Morrer")

 

Podemos encontrar a obra de Álvares de Azevedo inserida no segundo momento da poesia romântica no Brasil; portanto, no ultra-romantismo, conhecido também como byronismo.

 

E embora o poeta morresse extremamente jovem, aos vinte anos, pode ser soberanamente considerado como o mais importante escritor de sua época. Toda sua obra foi publicada postumamente ( A Lira dos Vinte anos( 1853), Noite na Taverna, contos ( 1855) e Macário, teatro ( 1855)).

 

A Lira dos Vinte Anos

 

A Lira dos Vinte Anos compõe-se do que há de melhor na produção de Álvares de Azevedo. Estruturalmente divide- se em três partes ; mas do ponto de vista temático, em apenas duas. Por quê?

 

A primeira e terceira partes têm temas assemelhados: a morte, a família, os temas da adolescência, o sonho, a religiosidade, a forma feminina como obsessão; a segunda parte, no entanto, traz o irônico, o "satânico", a mulher, ainda que em sonho, aproximada do erótico, carnal.

 

Parte I

 

Composta por 33 poemas, inicia-ae por um prefácio que tem epíteto sugestivo de Bocage:

 

"Cantando a vida, como o cisne a morte."

 

O poeta nos adverte:

 

"São os primeiros cantos de um pobre poeta. Desculpai-os. As primeiras vozes do sabiá não têm a doçura dos seus cânticos de amor.

 

É uma lira, mas sem cordas; uma primavera, mas sem flores; uma coroa de folhas, mas sem viço.

 

Cantos espontâneos do coração, vibrações doridas da lira interna que agitava um sonho, notas que o vento levou, - como isso, dou a lume essas harmonias.

 

São as páginas despedaçadas de um livro não lido... (...)"

 

A primeira parte da Lira contém poemas cuja temática é intimista: dores do coração, medo da morte, a mulher que ora se mostra, ora se esconde, a família, o sonho e a fantasia que se misturam principalmente através do jogo metafórico na erotização da mulher. Há nessa parte o aparecimento de símbolos que deixam entrever a sexualidade reprimida,

 

Observe alguns textos:

 

No mar

 

Era de noite - dormias,

Do sonho nas melodias,

Ao fresco da viração;

Embalada na falua,

Ao frio clarão da lua,

Aos ais do meu coração!

 

Ah! Que véu de palidez

Da langue face a tez!

 

 

Como teus seios revoltos

Te palpitavam sonhando!

Como eu cismava beijando

Teus negros cabelos soltos!

 

Sonhavas? - eu não dormia;

A minh¹alma se embebia

Em tua alma pensativa!

E tremias, bela amante,

A meus beijos, semelhante

Às folhas da sensitiva! (frag.)

 

Quando à noite no leito perfumado

Lânguida fronte no sonhar reclinas,

No vapor da ilusão por que te orvalha

Pranto de amor as pálpebras divinas?

 

E, quando te contemplo adormecida

Solto o cabelo no suave leito,

Por que um suspiro tépido ressona

E desmaia suavíssimo em teu peito?

 

Virgem do meu amor, o beijo a furto

Que pouso em tua face adormecida

Não te lembra no peito os meus amores

E a febre do sonhar da minha vida?

 

Dorme, ó anjo de amor! No seu silêncio

O meu peito se afoga de ternura

E sinto que o porvir não vale um beijo

E o céu em teu suspiro de ventura! (...) (fragmento)

 

O Poeta

 

Era uma noite - eu dormia

E nos meus sonhos revia

As ilusões que sonhei!

E no meu lado senti...

Meu Deus! Por que não morri?

Por que no sono acordei?

 

No meu leito - adormecida

Palpitante e abatida,

A amante do meu amor!

Os cabelos recendendo

Nas minhas faces correndo

Como o luar numa flor!

 

Senti-lhe o colo cheiroso

Arquejando sequioso;

E nos lábios, que entr¹abria

Lânguida respiração,

Um sonho do coração

Que suspirando morria!

 

Não era um sonho mentido;

Meu coração iludido

O sentiu e não sonhou:

E sentiu que se perdia

Numa dor que não sabia...

Nem ao menos a beijou!

 

(...)

 

 

E se eu tremendo, senhora,

Viesse pálido agora

Lembrar-vos o sonho meu,

Com a fronte descorada

E com a voz sufocada

Dizer-vos baixo - Sou eu!

 

Sou eu! Que não esqueci

A noite que não dormi,

Que não foi uma ilusão!

Sou eu que sinto morrer

A esperança de viver...

Que o sinto no coração! - ( frag.)

 

Quando falo contigo, no meu peito

Esquece-me esta dor que me consome:

Talvez corre o prazer nas fibras dalma:

E eu ouso ainda murmurar teu nome!

 

Que existência, mulher! Se tu souberas

A dor de coração de teu amante,

E os ais que pela noite, no silêncio,

Arquejam no seu peito delirante!

 

E quanto sofre e padeceu, e a febre

Como seus lábios desbotou na vida,

E sua alma cansou na dor convulsa

E adormeceu na cinza consumida!

 

Talvez terias dó da mágoa insana

Que minh¹alma votou ao desalento,

E consentira a virgem dos amores

Descansar-me no seio um só momento!

 

Sou um doido talvez de assim amar-te,

De murchar minha vida no delírio...

Se nos sonhos de amor nunca tremeste

Sonhando meu amor e meu martírio!

 

- E não pude, febril e de joelhos,

Com a mente abrasada e consumida,

Contar-te as esperanças do meu peito

E as doces ilusões de minha vida! (frag)

 

Desalento

 

Feliz daquele que no livro dalma

Não tem folhas escritas,

E nem saudade amarga, arrependida,

Nem lágrimas malditas!

 

Feliz daquele que de um anjo as tranças

Não respirou sequer

E nem bebeu eflúvios descorando

Numa voz de mulher!

 

E não sentiu-lhe a mão cheirosa e branca

Perdida em seus cabelos,

Nem resvalou do sonho deleitoso

A reais pesadelos!

 

Quem nunca te beijou, flor dos amores,

Flor do meu coração,

 

 

E não pediu frescor, febril e insano,

Da noite à viração!

 

Ah! Feliz quem dormiu no colo ardente

Da huri dos amores,

Que sôfrego bebeu o orvalho santo

Das perfumadas flores. (...) Que me resta, meu Deus?! Aos meus suspiros

Nem geme a viração,

E dentro - no deserto do meu peito

Não dorme o coração!

 

Soneto

 

Pálida, à luz da lâmpada sombria,

Sobre o leito de flores reclinada,

Como a lua por noite embalsamada,

Entre nuvens do amor ela dormia!

 

Era a virgem do mar! Na escuma fria

Pela maré das águas embalada!

Era um anjo entre nuvens d¹alvorada

Que em sonhos se banhava e se esquecia!

 

Era a mais bela! O seio palpitando...

Negros olhos as pálpebras abrindo...

Formas nuas no leito resvalando...

 

Não te ria de mim, meu anjo lindo!

Por ti - as noites eu velei chorando,

Por ti - nos sonhos morrerei sorrindo!

 

Cantiga de Viola

 

A existência dolorida

Cansa em meu peito: eu bem sei

Que morrerei!

Contudo da minha vida

Podia alentar-se a flor

No teu amor!

 

Do coração nos refolhos

Solta um ai! Num teu suspiro

Eu respiro!

Mas fita ao menos teus olhos

Sobre os meus: eu quero-os ver

Para morrer!

 

Guarda contigo a viola

Onde teus olhos cantei...

E suspirei!

Só a idéia me consola

Que morro como vivi...

Morro por ti!

 

Se um dia tu¹alma pura

tiver saudades de mim,

Meu serafim!

Talvez notas de ternura

Inspirem o doido amor

Do trovador!

 

Lembrança de Morrer

 

 

Quando em meu peito rebentar-se a fibra,

Que o espírito enlaça à dor vivente,

Não derramem por mim nem uma lágrima

Em pálpebra demente.

 

E nem desfolhem na matéria impura

A flor do vale que adormece ao vento:

Não quero que uma nota de alegria

Se cale por meu triste pensamento.

 

Eu deixo a vida como deixa o tédio

Do deserto o poento caminheiro

- Como as horas de um longo pesadelo

Que se desfaz ao dobre de um sineiro;

 

Como o desterro de minh¹alma errante,

Onde fogo insensato a consumia.

Só levo uma saudade - é desses tempos

Que amorosa ilusão embelecia.

 

Só levo uma saudade - é dessas sombras

Que eu sentia velar nas noites minhas...

De ti, ó minha mãe! Pobre coitada

Que por minha tristeza te definhas!

 

De meu pai... de meus únicos amigos,

Poucos - bem poucos- e que não zombavam

Quando em noites de febre endoidecido,

Minhas pálidas crenças duvidavam.

 

Se uma lágrima as pálpebras me inunda,

Um suspiro nos seios treme ainda,

É pela virgem que sonhei... que nunca

Aos lábios me encostou a face linda!

 

Só tu a mocidade sonhadora

Do pálido poeta deste flores...

Se viveu, foi por ti! E de esperança

De na vida gozar de teus amores.

 

Beijarei a verdade santa e nua,

Verei cristalizar-se o sonho amigo...

Ó minha virgem dos errantes sonhos,

Filha do céu, eu vou amar contigo!

 

Descansem o meu leito solitário

Na floresta dos homens esquecida,

À sombra de uma cruz, e escrevam nela:

-Foi poeta, sonhou e amou na vida. -

 

Sombras do vale, noites da montanha,

Que minh¹alma cantou e amava tanto,

Protejei o meu corpo abandonado,

E no silêncio derramai-lhe um canto!

 

Mas quando preludia ave d¹aurora

E quando à meia-noite o céu repousa,

Arvoredos do bosque, abri os ramos...

Deixai a lua prantear-me a lousa!

 

PARTE II

 

A segunda parte da Lira dos Vinte Anos é composta por 14 poemas e não se identifica tematicamente com a

primeira e a terceira. Inicia-se também por um prefácio:

 

 

"Cuidado, leitor, ao voltar esta página!

 

Aqui dissipa-se o mundo visionário e platônico. Vamos entrar num mundo novo, terra fantástica, verdadeira ilha

Baratária de D. Quixote, onde Sancho é rei; (...)

 

Quase que depois de Ariel esbarramos em Caliban.

 

A razão é simples. É que a unidade deste livro funda-se numa binomia. Duas almas que moram nas cavernas de um

cérebro pouco mais ou menos de poeta escreveram este livro, verdadeira medalha de duas faces (...) "

 

A primeira pergunta que nos ocorre é: quem são Ariel e Caliban, marcas nas quais o poeta se escora, indicando

mudanças? São personagens da peça A Tempestade, de Shakespeare. Ariel representa o Equilíbrio, o Bem, a

Harmonia, a face clara e afável dos seres, enquanto que Caliban simboliza o Mal, o lado escuro dos seres, a

desordem, o desequilíbrio.

 

Dito isso, está claro que o Álvares de Azevedo quer fazer ressaltar algo: na Parte II estão contidos os poemas

irônicos, as paródias, um suposto "satanismo" somente encontrado em Noite na Taverna.

 

Um cadáver de poeta I

 

De tanta inspiração e tanta vida

Que os nervos convulsivos inflamava

E ardia sem conforto...

O que resta? Uma sombra esvaecida,

Um triste que sem mãe agonizava...

Resta um poeta morto!

 

Morrer! É resvalar na sepultura,

Frias na fronte as ilusões - no peito

Quebrado o coração!

Nem saudades levar da vida impura

Onde arquejou de fome... sem um leito!

Em treva e solidão!

 

Tu foste como o sol; tu parecias

Ter na aurora da vida a eternidade

Na larga fronte escrita...

Porém não voltarás como surgias!

Apagou-se teu sol da mocidade

Numa treva maldita!

 

Tua estrela mentiu. E do fadário

De tua vida a página primeira

Na tumba se rasgou...

Pobre gênio de Deus, nem um sudário!

Nem túmulo nem cruz! Como a caveira

Que um lobo devorou!...

 

Meu anjo

 

Meu anjo tem o encanto, a maravilha,

Da espontânea canção dos passarinhos;

Tem os seios tão alvos, tão macios

Como o pêlo sedoso dos arminhos.

 

Triste de noite na janela eu a vejo

E de seus lábios o gemido escuto.

É leve a criatura vaporosa

Como a frouxa fumaça de um charuto.

(...)

Mas quis a sina que seu peito

Não batesse por mim nem um minuto,

E que ela fosse leviana e bela

Como a leve fumaça de um charuto. (frag.)

 

 

A um poeta moribundo

 

Poetas! Amanhã ao meu cadáver

Minha tripa cortai mais sonorosa!...

Façam dela uma corda e cantem nela

Os amores da vida esperançosa!

 

Cantem esse verão que me alentava...

O aroma dos currais, o bezerrinho,

As aves que na sombra suspiravam,

E os sapos que cantavam no caminho!

 

Coração, por que tremes? Se esta lira

Nas minhas mãos sem força desafina,

Enquanto ao cemitério não te levam,

Casa no marimbau a alma divina!

 

Eu morro qual nas mãos da cozinheira

O marreco piando na agonia...

Como o cisne de outrora... que gemendo

Entre os hinos de amor se enternecia.

 

Coração, por que tremes? Vejo a morte,

Ali vem lazarenta e desdentada...

Que noiva!... E devo então dormir com ela?

Se ela ao menos dormisse mascarada!

 

Que ruínas! Que amor petrificado!

Tão antediluviano e gigantesco!

Ora, façam idéia que ternuras

Terá essa lagarta posta ao fresco!

 

Antes mil vezes que dormir com ela.

Que dessa fúria o gozo, o amor eterno

Se ali não há também amor de velha,

Dêem-me as caldeiras do terceiro inferno! (frag.)

 

É ela! É ela! É ela! É ela!

 

É ela! É ela! - murmurei tremendo,

E o eco ao longe murmurou - é ela!

Eu a vi... minha fada aérea e pura -

A minha lavadeira na janela!

 

Dessas águas- furtadas onde eu moro

Eu a vejo estendendo no telhado

Os vestidos de chita, as saias brancas;

Eu a vejo e suspiro enamorado!

 

Esta noite eu ousei mais atrevido

Nas telhas que estalavam nos meus passos

Ir espiar seu venturoso sono,

Vê-la mais bela de Morfeu nos braços!

 

Como dormia! Que profundo sono!...

Tinha na mão o ferro do engomado...

Como roncava maviosa e pura!...

Quase caí na rua desmaiado!

 

Afastei a janela, entrei medroso...

Palpitava-lhe o seio adormecido...

Fui beijá-la... roubei do seio dela

Um bilhete que estava ali metido...

 

 

Oh! De certo... ( pensei) é doce página

Onde a alma derramou gentis amores;

São versos dela... que amanhã decerto

Ela me enviará cheios de flores...

 

Tremi de febre! Venturosa folha!

Quem pousasse contigo neste seio!

Como Otelo beijando a sua esposa,

Eu beijei-a a tremer de devaneio...

 

É ela! É ela! - repeti tremendo;

Mas cantou nesse instante uma coruja...

Abri cioso a página secreta...

Oh! Meu Deus! Era um rol de roupa suja!

 

Mas se Werther morreu por ver Carlota

Dando pão com manteiga às criancinhas

Se achou-a assim mais bela, - eu mais te adoro

Sonhando-te a lavar as camisinhas!

 

É ela! É ela meu amor, minh¹alma,

A Laura, a Beatriz que o céu revela...

É ela! É Ela! - murmurei tremendo,

E o eco ao longe suspirou - é ela!

 

Namoro a cavalo

 

Eu moro em Catumbi. Mas a desgraça

Que rege minha vida malfadada,

Pôs lá no fim da rua do Catete

A minha Dulcinéia namorada.

 

Alugo ( três mil-réis) por uma tarde

Um cavalo de trote ( que esparrela!)

Só para erguer meus olhos suspirando

À minha namorada na janela...

 

Todo o meu ordenado vai-se em flores

E em lindas folhas de papel bordado,

Onde eu escrevo trêmulo, amoroso,

Algum verso bonito... mas furtado.

 

Morro pela menina, junto dela

Nem ouso suspirar de acanhamento...

Se ela quisesse eu acabava a bistória

Como toda comédia - em casamento...

 

Ontem tinha chovido... Que desgraça!

Eu ia a trote inglês ardendo em chama,

Mas lá vai senão quando uma carroça

Minhas roupas tafues encheu de lama...

 

Eu não desanimei! Se Dom Quixote

No Rocinante erguendo a larga espada

Nunca voltou de medo, eu, mais valente,

Fui mesmo sujo ver a namorada...

 

Mas eis que no passar pelo sobrado,

Onde habita nas lojas minha bela,

Por ver-me tão lodoso ela irritada

Bateu-me sobre as ventas a janela...

 

O cavalo ignorante de namoros

Entre dentes tomou a bofetada,

 

 

Arrepia-se, pula, e dá-me um tombo

Com pernas para o ar, sobre a calçada...

 

Dei ao diabo os namoros. Escovado

Meu chapéu que sofrera no pagode,

Dei de pernas corrido e cabisbaixo

E berrando de raiva como um bode.

 

Circunstância agravante. A calça inglesa

Rasgou-se no cair, de meio a meio,

O sangue pelas ventas me corria

Em paga do amoroso devaneio!...

 

TERCEIRA PARTE

 

Trinta poemas formam a terceira parte do livro, formado, ao todo, de 77 composições poéticas. Nenhum prefácio,

nenhuma indicação de abertura; mas sabemos que , tematicamente, encontraremos a mesma intenção da Parte I:

devaneios adolescentes, amor inacessível, erotização metaforizada, família, os temas da morte e do sofrimento, o

poeta tão jovem... e o mesmo intimismo, o tom inquieto e confessional:

 

Meu desejo

 

Meu desejo? Era ser a luva branca

Que essa tua gentil mãozinha aperta;

A camélia que murcha no teu seio,

O anjo que por te ver do céu deserta...

 

Meu desejo? Era ser o sapatinho

Que teu mimoso pé no baile encerra...

A esperança que sonhas no futuro,

As saudades que tens aqui na terra...

 

Meu desejo? Era ser o cortinado

Que não conta os mistérios de teu leito;

Era de teu colar de negra seda

Ser a cruz com que dormes sobre o peito.

 

Meu desejo? Era ser o teu espelho

Que mais bela te vê quando deslaças

Do baile as roupas de escomilha e flores!

E mira-te amoroso as nuas graças!

 

Meu desejo? Era ser desse teu leito

De cambraia o lençol, o travesseiro

Com que velas o seio, onde repousas,

Solto o cabelo, o rosto feiticeiro...

 

Meu desejo? Era ser a voz da terra

Que da estrela do céu ouvisse amor!

Ser o amante que sonhas, que desejas

Mas cismas encantadas de langor!

 

Soneto

 

Os quinze anos de uma alma transparente

O cabelo castanho, a face pura,

Uns olhos onde pinta-se a candura

De um coração que dorme, inda inocente.

 

Um seio que estremece de repente

Do mimoso vestido na brancura,

A linda mão na mágica cintura,

E uma voz que inebria docemente.

 

 

Um sorrir tão angélico! Tão santo

E nos olhos azuis cheios de vida

Lânguido véu de involuntário pranto!

 

É esse talismã, é essa a Armida,

O condão de meus últimos encantos,

A visão de minh¹alma distraída!

 

Adeus, meus sonhos!

 

Adeus meus sonhos, eu pranteio e morro!

Não levo da existência uma saudade!

E tanta vida que meu peito enchia

Morreu na minha triste mocidade!

 

Misérrimo! Votei meus pobres dias

À sina doida de um amor sem fruto,

E minh¹alma na treva agora dorme

Como um olhar que a morte envolve em luto.

 

Que me resta, meu Deus? Morra comigo

A estrela de meus cândidos amores,

Já que não levo no meu peito morto

Um punhado sequer de murchas flores!