Instagram

Ajude-nos

Você sabia que qualquer pessoa pode publicar neste site, mas que todo custo é pago apenas pelo editor?
Se deseja ajudar este projeto, pode fazer doações de qualquer valor, mesmo poucos centavos, por meio de depósito em poupança da Caixa Econômica Federal. Anote ai!

Banco: Caixa Economica Federal [104]
Favorecido: Silvio de Souza L Júnior.
Agência: 1340
Operação: 013
Conta Poupança: 809559-4

Rua 44 Anunciar 600x300

Avaliação do Usuário: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Índice de Artigos

Introdução por Sílvio Lôbo Júnior

 

Diante à repressão onde a censura controla os meios de comunicação e coíbe a liberdade de expressão, os homens tende a se expressar por formas alternativas. O principal meio desta expressão é a literatura.

Desde o inicio da história humana o homem cria textos abstratos usando e abusando do simbolismo afim de passar ao grupo perseguido o ideal de liberdade ou até de denunciar a realidade.

Muitos textos foram escritos com o objetivo de denunciar a realidade em época de repressão. O mais conhecido deles com certeza é o de Apocalipse, presente na Sagrada escritura. Neste, um suposto João, preso na Ilha de Patmos escreve pra os lideres das igrejas da Ásia a fim de denunciar os abusos do governo romano. Num ambiente de perseguição e censura, o autor deste livro usa de linguagem abstrata cheia de simbolismo. Os lideres das comunidades cristãs são chamados de anjos, o imperador Dominiciano, que após seu coroamento passara a assinar “Domicinianus Dominus” (Domiciano Senhor e Deus) e descrito neste livro como a Besta que se diz ser Deus, e é seguido por uma outra Besta que lançara sobre as cidades chamas de fogo para exibir seu poder, ou seja Nero em sua exibições onde mandava incendiar vilas na baixa-Roma.

Como se vê os textos abstratos, o simbolismo e a luta artística para a Revelação, (retirada do véu; descobrir o que é coberto), não é algo novo, mas sim uma reação humana de lutar diante a situação de censura onde não exista a liberdade de expressão.

Neste mesmo enfoque inicia este trabalho. Com o objetivo de descrever a simbologia artística empregada em uma obra de beleza oculta, que denuncia fatos ocorridos a pouco tempo, cujos personagens ainda caminham entre nós, e o qual muito há de se compreender pra que a justiça seja assim cumprida.

 

Ave, Armas!
Darcy França DENÓFRIO
Mestre em Teoria da Literatura. Poetisa,
ensaísta e Professora Adjunta (aposentada) do Departamento de Letras da UFG.


--------------------------------------------------------------------------------

A montagem (ave+armas) expressa em Avarmas, que nomeia um conjunto de contos de Miguel Jorge, publicado pela Ática em 1978, aponta para um dos muitos recursos poéticos que ele e também outros contistas brasileiros, sobretudo a partir da década de 60, passaram a incorporar ao texto narrativo. Mas, até aqui, o conto passou por um longo processo de transformação.

O conto tradicional _ como uma história que se desenrola linearmente ante os olhos do leitor, com princípio, meio e fim; contendo um conflito quase sempre muito claro para o leitor; número reduzido de personagens sem nenhuma profundidade psicológica; um curto lapso de tempo e espaço restrito; absoluta objetividade, com a ênfase na ação das personagens e não no que se pode depreender delas _ já aparece no Brasil no século XIX, por volta de 1840. A partir das primeiras experiências precursoras em jornais, por volta de 1836, o conto vai, com o tempo, ganhando dimensões literárias. Entretanto, segundo afirma Herman Lima, "se o conto literário não começou com Machado de Assis, firmou-se com ele, recebendo-lhe das mãos trato que nenhum dos outros anteriormente lhe haviam dado (...)". No que se refere à narrativa curta, as primeiras publicações de Machado são de 1860. Sua primeira obra publicada no gênero, Contos fluminenses, é de 1870, cem anos portanto antes da fase de intensa experimentação por que passou o conto brasileiro.

Assis Brasil considera que somente com a publicação da obra de Samuel Rawett, Contos do imigrante, de 1956, vai-se desviar o curso da narrativa curta brasileira. Para ele, este contista, judeu-polonês que veio aos seis anos para o Brasil, "quebra a tradição machadiana entre nós", sendo o inventor do conto de flagrante, à semelhança de Tchekov. E Antônio Hohlfeldt, em Conto brasileiro contemporâneo, enumera, buscando também a opinião de críticos abalizados, as características dos contos de Rawett, cuja primeira é o fato de se construir centrado em personagens. Sumariando, as outras características seriam a destruição do enredo, ou a presença de uma trama armada de modo tenue, o que fatalmente vai destruir a noção clara de tempo e espaço; a frase sincopada, apropriada à dureza e situação de angústia que envolve o seu texto e a personagem; a pobreza fabulística compensada por uma riqueza de ação interior, expressa através de certas técnicas narrativas, tais como monólogos interiores e solilóquios; a revelação do "bicho homem", a sua solidão e a sua dificuldade de comunicar-se ou até a sua incomunicabilidade. Dentre estas, estão algumas das principais características do chamado conto experimental, ou seja, daquele conto em que os seus criadores experimentaram novas formas ou processos de escrever a narrativa curta.

Para Alfredo Bosi, entretanto, foi Alcântara Machado, filho de uma tradicional família paulista, "quem por primeiro se mostrou sensível à viragem da prosa ficcional, aplicando-se todo a renovar a estrutura e o andamento da história curta". E isto, é bom ressaltar, quase 30 anos antes das experiências de Rawett. Seus livros de contos Brás, Bexiga e Barra Funda, de 1927, e Laranja da china, de 1928, de fato constroem-se nas picadas abertas pela prosa experimental de Mário e Oswald de Andrade. O interessante é que tanto ele quanto Rawett trouxeram à cena o emigrante. E muitas vezes a nossa memória nos trai: ao falar "Gaetaninho", conto de Alcântara Machado, nos lembramos de "Gringuinho", de Samuel Rawett, trocando, às vezes, até mesmo o título de um pelo outro.