Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

“La vraie vie est ailleurs” Rimbaud (A vida real é insuficiênte)

 

De todas as aulas da faculdade de Letras que não me esqueço foi a que a professora entrou na sala, e disse, ‘o mundo está acabando, temos um velho, uma donzela, uma criança doente, uma prostituta, um físico, um religioso’, sua espaçonave cabe uma pessoas, quem você ira levar?”

“A prostituta, disse sem hesitar”, uma colega sorriu, dizendo, “este Sílvio”,

Mas este sou eu,

Inevitavelmente quando não pensamos pra falar, acabamos falando o que estamos pensando. E algo que eu destaco em mim são dois grandes defeitos, o primeiro é de não suportar a conformação com as coisas erradas, a humanidade arrasta século após século um comodismo terrível, as pessoas não acreditam que as coisas possam ficar melhores, e por isto as coisas nunca ficará mesmo, e meu outro defeito é esperar que as pessoas tenham um mínimo de postura heróica. Um pingo de espírito cristão de querer fazer algo.

Mas o que eu vejo?! Um mundo que dia após dia continua como sempre foi. Nada muda. Uma grande treva, poucas estrelas...,

Ainda digo, que esta inércia é suportável.

O que não dá pra engolir é a hipocrisia dos poderosos. A charlatanice das igreja’S cristãs, e a postura dos governos ditos laicos.

A China não dá valor à vida, lá “escreveu não leu, o pau comeu”, mas pelo menos eles não gastam dinheiro falando sobre Fraternidade. A lei é, “aprontou, morreu a família paga a bala”.

As pessoas têm que ler e assistir os Jornais, sempre mudando de canal e misturando com um pouquinho de rádio, internet, jornal Daqui. 

Um velho sábio fez um escarcéu no cinema um dia destes. Acontece que foi assistir ao filme do Lula, e cobraram R$ 10,00; o homem ficou irado, “Propaganda eleitoral é gratuita!” – gritava o velho.

Os países católicos adoram a pobreza. “Olha que lindo, ele é pobre!” “La vraie vie est ailleurs*” Rimbaud

 

De todas as aulas da faculdade de Letras, a que não me esqueço foi a que a professora entrou na sala, e disse, ‘o mundo está acabando, temos um velho, uma donzela, uma criança doente, uma prostituta, um físico, um religioso’, sua espaçonave cabe uma pessoas, quem você ira levar?”

“A prostituta, disse sem hesitar”, uma colega sorriu, dizendo, “este Sílvio”,

Mas este sou eu,

Inevitavelmente quando não pensamos pra falar, acabamos falando o que estamos pensando. E algo que eu destaco em mim são dois grandes defeitos, o primeiro é de não suportar a conformação com as coisas erradas, a humanidade arrasta século após século um comodismo terrível, as pessoas não acreditam que as coisas possam ficar melhores, e por isto as coisas nunca ficará mesmo, e meu outro defeito é esperar que as pessoas tenham um mínimo de postura heróica. Um pingo de espírito cristão de querer fazer algo.

Mas o que eu vejo?! Um mundo que dia após dia continua como sempre foi. Nada muda. Uma grande treva, poucas estrelas...,

 

Ainda digo, que esta inércia é suportável.

O que não dá pra engolir é a hipocrisia dos poderosos. A charlatanice das igreja’S cristãs, e a postura dos governos ditos laicos.

A China não dá valor à vida, lá “escreveu não leu, o pau comeu”, mas pelo menos eles não gastam dinheiro falando sobre Fraternidade. A lei é, “aprontou, morreu a família paga a bala”.

As pessoas têm que ler e assistir os Jornais, sempre mudando de canal e misturando com um pouquinho de rádio, internet, jornal Daqui. 

Um velho sábio fez um escarcéu no cinema um dia destes. Acontece que foi assistir ao filme do Lula, e cobraram R$ 10,00; o homem ficou irado, “Propaganda eleitoral é gratuita!” – gritava o velho.

 

Os países católicos adoram a pobreza. “Olha que lindo, ele é pobre!”, os protestantes usam a pobreza como um pai usa o homem do saco para assustar seus filhos.

 

Temas dos programas de TV nos final de semana:

          Ajudar o pobre reformar a casa,

          Ajudar o pobre voltar pra casa,

          Ajudar o pobre encontrar a família pobre,

Temas dos programas de TV nos final de semana:

 

       Ajudar o pobre reformar a casa,

       Ajudar o pobre voltar pra casa,

       Ajudar o pobre encontrar a família pobre,

 

E estamos tão bem acostumados que se coloca um rico num programa de auditório ganhando dinheiro nós ficamos enojados. É a mágica do capitalismo, se eu acerto a MegaSena da vida ganhava 140 milhões, hoje estava escrevendo estas besteiras de um luxuoso AP. Imaginem o Sílvio Santos gritando: “Quem quer dinheiro” e o pessoal quieto, só esperando uma nota mais graúda caindo perto, para puxar com o pé.

Isto não acontece, o dinheiro é meio que a mulher melancia, a gente diz que não liga, mas ele pinta na frente da gente, dá um tesão danado.

Eu entendo muito sobre ser pobre. Estou atualmente vivendo de bicos, e às vezes volto pra casa a pé para economizar dinheiro, sonhando com uma moto que não dá pra comprar de jeito nenhum, abro mão de muita coisa, mas não da minha dignidade.

Falo o que penso, e digo que se aceitarmos as coisas como estão, nunca iremos nos dedicar o suficiente para mudar nossa condição,

O começo de tudo, é acreditar!

Temos enojar do mundo, e lutar contra as coisas que machucam.

As pessoas me perguntam, “como? se nem Jesus conseguiu?”, eu respondo dizendo que “ele só colocou a primeira pedra, e que talvez não seja eu a colocar a última”,

Vamos gente!

Se não acreditarmos que as coisas podem ficar melhores, então já estaremos mortos, seremos para o futuro o que foi muito dos que já morreram antes de nós,

Estou cansado de aceitar um governo porque ele é “menos pior”,

Quero o melhor,

Quero me livrar dos mitos. Tantos mitos, de um povo, de um eu fraco que não consegue mudar o mundo.

Eu posso mudar o mundo,

Você também,

Vamos!

 

 

Deixe seu comentário

Todos os campos * são obrigatórios