Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

aids.oral.jpgHoje, 15 de dezembro de 2010, pesquisadores e médicos alemães atestaram a primeira cura do vírus HIV.
Mas não é possível atestar um método eficaz e seguro.

Mas fato é, o paciente sofria de AIDS e Leucemia, o conhecido câncer no sangue, e recebeu em 2007 transplante de medula contendo uma mutação genética que sabiam ter imunidade natural contra o vírus.

Vale lembrar que o processo de substituição de medula é um ato extremo para o tratamento do câncer do sangue, é muito arriscado podendo por si só levar o paciente a morte.

É necessário que o paciente tenha um sistema imunológico praticamente idêntico ao receptor que por sua vez terá sua medula doente destruída dentro dos ossos, uma ação de extremo perigo a vida.

Vale lembrar que apesar dos exames no sangue e tecidos terem demonstrado a inexistência do vírus, os pesquisadores afirmam que apenas quando o paciente morrer será possível fazer o Polymerase Chain Reaction” (PCR), que se trata de uma analise minuciosa por todos os tecidos do corpo para saber se realmente não existe vírus encubado em algum tecido.

Timothy_Ray_Brown.jpg

Timothy Ray Brown, tem 44 anos, e morava em Berlin quando passou pelo transplante porque tinha leucemia. Para tentar eliminar as duas doenças, os médicos escolheram um doador com células que mutantes que não produziam CCR5, proteína fundamental para a multiplicação do vírus HIV no organismo humano.

Mesmo que a fé nos leve a crer que existe cura, silviolobo, se preocupa com um desastre que pode acontecer se as pessoas se levarem por esta informação e deixarem de ter os cuidados devidos. Aids continua matando 100% das pessoas que se contaminam. Hoje uma se curou, e mesmo que 70 milhões de pessoas do mundo possa se curar por este método, a Aids continuará matando 99% das pessoas que se contaminam.{jcomments on}

preconceito_aids.jpg

Deixe seu comentário

Todos os campos * são obrigatórios