Instagram

Ajude-nos

Você sabia que qualquer pessoa pode publicar neste site, mas que todo custo é pago apenas pelo editor?
Se deseja ajudar este projeto, pode fazer doações de qualquer valor, mesmo poucos centavos, por meio de depósito em poupança da Caixa Econômica Federal. Anote ai!

Banco: Caixa Economica Federal [104]
Favorecido: Silvio de Souza L Júnior.
Agência: 1340
Operação: 013
Conta Poupança: 809559-4

Rua 44 ANALOBO1 600x200
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 


Fonte desta imagem: G1

15/03/2011 - O número de mortos oficial passa de 3.300, mas as autoridades estimam que ele possa passar de 10 mil.

15/03/2011 - O dano no reator 1 foi de 70%, e no 2, de 33%. O núcleo dos reatores parece ter derretido parcialmente após a perda das funções de resfriamento, ocorridas na sexta após o terremoto de magnitude 9 seguido de tsunami que atingiu a costa. (G1)

Dia 6 de fevereiro de 2011 silviolobo.com.br falou sobre  Tsunami (津波) se referindo ao ocorrido em 26/12/2004, e novamente, em 2011 a história se repete.

Às 14h46 (horário local; 2h46 em Brasília) desta sexta-feira (11/03/2011) um terremoto de 8,9 graus de magnitude atingiu o arquipélago do Japão. Foi o mais forte terremoto registrado no Japão e o sétimo na história do mundo. (G1)

A explosão que ocorreu ontem na central nuclear de Fukushima I foi a pior desde Chernobil. O acidente causado pelo sismo de sexta-feira obrigou cerca de 140 mil pessoas que viviam na região, a 240 quilómetros a nordeste de Tóquio, a abandonarem as suas casas devido à poluição radioactiva. A explosão foi classificada ontem de nível 4 na Escala Internacional de Acontecimentos Nucleares, pela Agência de Segurança Nuclear e Industrial japonesa. A gravidade do acidente ficou logo abaixo da explosão de Three Mile Island em 1979 e longe do acidente de Chernobil, em 1986, na ex-URSS, que foi classificado com o nível 7, o máximo da escala. Embora o Governo japonês declare que o incidente está controlado, a comunidade internacional está com os olhos postos na central. A Comissão Europeia convocou uma reunião sobre a indústria nuclear para a semana. Ou seja, o medo do nuclear voltou. (publico.pt)

"O que é importante é saber onde foi a explosão", dizia ontem de manhã à Reuters Paddy Regan, físico nuclear da Universidade de Surrey, Inglaterra. "Não se percebe o que explodiu. O grande problema é se a cuba de pressão do reactor nuclear [onde está o combustível nuclear] tiver explodido, mas não parece ser isso que rebentou." (publico.pt)