Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 


Fonte desta imagem: G1

15/03/2011 - O número de mortos oficial passa de 3.300, mas as autoridades estimam que ele possa passar de 10 mil.

15/03/2011 - O dano no reator 1 foi de 70%, e no 2, de 33%. O núcleo dos reatores parece ter derretido parcialmente após a perda das funções de resfriamento, ocorridas na sexta após o terremoto de magnitude 9 seguido de tsunami que atingiu a costa. (G1)

Dia 6 de fevereiro de 2011 silviolobo.com.br falou sobre  Tsunami (津波) se referindo ao ocorrido em 26/12/2004, e novamente, em 2011 a história se repete.

Às 14h46 (horário local; 2h46 em Brasília) desta sexta-feira (11/03/2011) um terremoto de 8,9 graus de magnitude atingiu o arquipélago do Japão. Foi o mais forte terremoto registrado no Japão e o sétimo na história do mundo. (G1)

A explosão que ocorreu ontem na central nuclear de Fukushima I foi a pior desde Chernobil. O acidente causado pelo sismo de sexta-feira obrigou cerca de 140 mil pessoas que viviam na região, a 240 quilómetros a nordeste de Tóquio, a abandonarem as suas casas devido à poluição radioactiva. A explosão foi classificada ontem de nível 4 na Escala Internacional de Acontecimentos Nucleares, pela Agência de Segurança Nuclear e Industrial japonesa. A gravidade do acidente ficou logo abaixo da explosão de Three Mile Island em 1979 e longe do acidente de Chernobil, em 1986, na ex-URSS, que foi classificado com o nível 7, o máximo da escala. Embora o Governo japonês declare que o incidente está controlado, a comunidade internacional está com os olhos postos na central. A Comissão Europeia convocou uma reunião sobre a indústria nuclear para a semana. Ou seja, o medo do nuclear voltou. (publico.pt)

"O que é importante é saber onde foi a explosão", dizia ontem de manhã à Reuters Paddy Regan, físico nuclear da Universidade de Surrey, Inglaterra. "Não se percebe o que explodiu. O grande problema é se a cuba de pressão do reactor nuclear [onde está o combustível nuclear] tiver explodido, mas não parece ser isso que rebentou." (publico.pt)

Deixe seu comentário

Todos os campos * são obrigatórios