Instagram

Ajude-nos

Você sabia que qualquer pessoa pode publicar neste site, mas que todo custo é pago apenas pelo editor?
Se deseja ajudar este projeto, pode fazer doações de qualquer valor, mesmo poucos centavos, por meio de depósito em poupança da Caixa Econômica Federal. Anote ai!

Banco: Caixa Economica Federal [104]
Favorecido: Silvio de Souza L Júnior.
Agência: 1340
Operação: 013
Conta Poupança: 809559-4

Rua 44 ANALOBO1 600x200
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Caminhão KCU 6603 bate contra poste no Setor Norte Ferroviário próximo a Subestação de mesmo nome e causa apagão em grande parte da cidade.
A energia foi restabelecida em poucos minutos.
Sílvio Lôbo  

-->
O Jornal ainda não sabe,
Diário da Manhã -> Agencia Estado - AE - Um apagão atingiu o estado de Goiás na tarde de hoje. Segundo a companhia responsável pela distribuição de energia, Celg, a interrupção aconteceu por volta das 13h40 e durou cerca de 30 minutos. Por volta das 15h, a energia já havia sido restabelecida na maior parte do Estado. Ainda não há informações sobre o que causou o problema, mas de acordo com a assessoria de imprensa da Celg, os técnicos da empresa já estão coletando dados para esclarecer o apagão.

Será?!

Agência Goiana de ComunicaçãoTamanho do texto

Uma queimada, embaixo de linhas de transmissão de Furnas localizadas no Distrito Agroindustrial de Anápolis (DAIA), provocou queda no sistema interligado de transmissão e deixou milhões de goianos, moradores das cidades de Goiânia, Anápolis, Inhumas, Palmeiras, Firminópolis, Iporá, Morrinhos, Caldas e Pires do Rio sem energia elétrica.

O apagão começou às 13h29 e o sistema só foi totalmente restabelecido às 15 horas. Segundo o diretor técnico da CELG, Humberto Eustáquio, duas linhas de transmissão foram atingidas e, por isso, o fornecimento foi interrompido. Elas ficam entre as subestações de Aparecida de Goiânia (Bandeirantes) e Brasília (Samambaia).

A falta de energia elétrica atingiu 1 milhão e 200 mil unidades consumidoras, o que significa aproximadamente 3 milhões e 500 mil pessoas. A polícia pode ser acionada, para investigar se a queimada foi acidental ou criminosa.

No caso dos consumidores que tiveram eletrodomésticos queimados ou sofreram qualquer tipo de prejuízo decorrente do apagão, Humberto Eustáquio assegurou que a CELG fará o ressarcimento, seguindo as normas estabelecidas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), que regula o sistema.