Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Quando tudo começou ainda na década de 90, falar em site era falar de portais como UOL, Terra, AOL e IG. Os provedores de internet discadas tinham os portais, e neles os usuários comuns encontravam tudo o que precisava. Uma bom emails, acredito nisto até hoje, é o Yahoo, porém naqueles dias a capacidade era de 15MB, não se falava em emails com mais de 500KB, (ontem recebi um vídeo com 22.000.000KB), os sites pessoais eram pertenciam a Vila Bol, e o HPG, uma conta dava espaço para 3MB de arquivos HTML, não se falava em PHP com mysql, para conversar usava as salas, na época podia entrar em qualquer sala que quisesse, uma sala cheia tinha 30 pessoas, e quando entravam sete ficava uma loucura.
Os usuários mais avançados usavam o IRC, com programinhas como o MIRC, lá Lis, Wil e eu, virávamos a noite numa sala chamada #tabav.

Nesta época a Biblioteca Nacional aplicava para os registros de publicação na internet os mesmos requisitos para a publicação impressa, ou seja, o instituto da averbação, assim uma crônica para ser protegida por lei precisaria ser averbada, pagando a taxa de GRU, que nos dias de hoje significa R$ 35,00. Ou seja: ninguém registrava nada.

Grandes portais já tinham os colunistas, como as revistas e jornais, eles colocavam avisos de “Todos os direitos reservados”, mas em que isto significava?

Na verdade, se um artigo fosse bom, uma crônica engraçada, as pessoas encaminhavam para o máximo de e-mails que podia. No começo era 19 pessoas, já que aos 20 as contas ficavam “temporariamente” bloqueadas.

Ter uma crônica, artigo ou postagem colocada noutro site era sinal de prestígio.

Hoje este prestígio ainda acontece nos Blogs. Porém existem uns meios lunáticos que não contentes que a postagem tenha sido comentada no seu site com fonte 14, e link em ícone, exigem que você coloque o nome em fontes garrafais, o que na época chamávamos de FONTE ALTA, e que coloque o link por extenso, com direito a http as // os www, e tudo mais.

 

É um absurdo, mas é um absurdo legal.

 

Tenho site há uma década, foi hpg, pop, até o .com.br; já inventei as formas mais diferentes de fazer citação. No site antigo eu colocava as citações dentro de uma tabela, existia a ênfase visual, era como se eu dissesse que a parte dentro do quadrado não é da minha responsabilidade.

Hoje uso o texto explicativo, eu vou escrevendo e digo, ‘João Silva da Folha Online disse que”, ou coloco o trecho e ao final coloco (João Silva, Folha Online).  O link original costuma ficar no nome do jornal, então teria que clicar em ‘Folha Online’ para acessar o link. As vezes peco nisto, e uma razão seria o pouco tempo, e não digo o tempo de colocar o link certo, mas não tenho tempo de atualizar os links que hoje em dia comumente são dinâmicos.

 

O que são links dinâmicos?


Links dinâmicos são aqueles que modificam em períodos. Muitos sites que atualizam a cada segundo, tem links dinâmicos, assim se você acessar um link como http://noticiaexemplo.com.br/Noticia?=dia no dia de hoje você tem uma notícia, se você clicar no dia seguinte pode surgir outra notícia ou até mesmo o erro 404 (página não encontrada).

Como ficará as citações a partir de hoje?


Continuarei a colocar literalmente no texto, ou seja irei escrever, João Silva disse no Jornal Tal, isto no dia tal. E irei acrescentar um banner, no Exemplo abaixo, veja se fosse um artigo com crítica, analise ou comentário de uma reportagem veiculada pela Folha Online:

 

As citações são ilegais?


Não, elas são legais. A LEI Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências.

Capítulo IV
Das Limitações aos Direitos Autorais
Art. 46. Não constitui ofensa aos direitos autorais:
III - a citação em livros, jornais, revistas ou qualquer outro meio de comunicação, de passagens de qualquer obra, para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor e a origem da obra;

 

O que silviolobo.com.br não é?


NÃO É UM DISTRIBUIDOR DE NOTÍCIAS, e não repassa notícias em tempo real e integral como acontece em sites com Yahoo Notícias, Terra Notícias, e outros grandes portais. Estes sites/empresas têm contratos milionários com grandes empresas de jornalismos, assim recebem conteúdo a cada segundo, elas repassam este conteúdo para seus visitantes. silviolobo.com.br é um site pessoal, eu, Sílvio Lôbo ao ler um jornal, assistir um telejornal, ouvir um rádio ou mesmo conversando com colegas, seleciono coisas que me interesso, e coloco em meu site, acrescentando critica, análise ou comentando.

 

Com que frequência você coloca noticias em seu site?


Nunca pensei sobre isto. As vezes passam semanas, as vezes em uma noite eu coloco três, até mesmo quatro notícias. Eu coloco o que mexe mais comigo. Um crime aqui na cidade, um crime polêmico como o da Suzane von Richthofen que matou os pais, o de Pollyana Arruda, publicitária goiana que foi morta enquanto se dirigia à faculdade que eu estudo, é claro que estes casos chamam a atenção, e por isto os coloco.

 

Você pretende ganhar o que com isto?


Bem disse Cecília Meireles,

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

A verdade é que não tenho uma razão, talvez eu tenha um site porque eu não consiga ser tão conciso. Tente me entender, o Twitter só aceita 140 caracteres e o Orkut 1024, eu preciso de mais!

 

E as ilustrações no seu site?


99% das imagens que coloco no meu site vem da busca Google Images, e são imagens encontradas pelo buscador, e eu nunca altero nada em seu conteúdo, assim, nas charges é possível encontrar a assinatura do cartunista. Já as fotografias sempre que eu encontro no site, eu coloco.

 

Qual a relevância do seu site?


Isto é relativo, quando criei meu primeiro site eu recebia dez visitas e era maravilhoso, e se hoje recebo 1.000 visitas, numericamente não significa nada em relação aos milhões de acessos e bilhões de hits dos portais. PORÉM, MEU VISITANTE É BEM SELETO, eu tenho pessoas que estão nos EUA, na Europa, e até na Coréia que se corresponde comigo, e me escrevem sempre perguntando sobre o que mais tem destacado aqui no Brasil.

 

Quais suas fontes de notícias?


A primeira delas é minha mãe. Quando chego da faculdade ela vem e me conta algo que assistiu no jornal enquanto eu estava na faculdade. Então eu vou na internet e procuro no Google, no G1, Terra Notícias, Folha Online, O Estadão, Diário da Manhã, algumas poucas vezes o um O Popular impresso, muitas vezes um jornal Daqui impresso (custa só R$ 0,50 e ler bem sempre!), uso o Yahoo Notícias também, ele é um concentrador de Agências de Jornalismo como a EFE, AFP, Reuters. Além das revistas, Istoé, Veja. Chego a ler matérias do Ny York Times, são tantas, me perdoe se esquecer alguma.

 

Você cita blogs?


Eu tenho uma centena de amigos que tem blog. Se eu citar um terei que citar de todo mundo. Então prefiro ir lá no blog e registrar meu comentário e em especial o meu carinho.

Uma vez briguei com meu banco e busquei na internet reclamações sobre ele. E encontrei num site em formato de blog wordpress uma postagem pessoal onde o usuário se queixava do banco. Eu postei esta reclamação no meu site, naturalmente referenciando o nome, explicando que tinha colocado tal postagem por que algo parecido tinha acontecido comigo. (O que não era de todo verdade, pois tinha acontecido com uma colega da faculdade), mas em fim... passei foi raiva. Li pela manhã uma mensagem postada de madrugada, que se queixava sobre o título “Plágio de um texto meu em seu site”. A exigências era de Letras GARRAFAIS,  e um link real, com direito a protocolo http, www, os dois pontos as duas barras, em fim, tirei a postagem, e criei a regra de 3 milhões, 552 mil, 157, da minha lista de viver nestes mundo que diz, “postagem de blog, não!!!”

 

E se eu tiver um conteúdo no seu site com MEU NOME, o LINK DE ORIGEM, a DATA e tudo mais que a Norma Brasileira exige, e mesmo assim eu não o quiser ai?


Ué, se eu fizer toda a citação, com todos os requisitos da LEI Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, então estarei sobre meu direito de mantê-lo. PORÉM, longe de mim querer frustrar mais um frustrado, magoar mais um magoado, ou desesperar mais um desesperado. AMIGOS PARA SEMPRE!!!! Tenha certeza! É só escrever para meu email, e eu irei excluir assim que receber, não tenha dúvidas.

 

Por que referenciar textos?


Pois somos parte de um grande corpo chamado humanidade. Eu não vi que uma velhinha portuguesa foi encontrada morta depois de nove anos em seu apartamento, pelo que sei até mesmo os vizinhos não viram. Eu sei disto pois li em um jornal, então eu repasso, e aproveito para falar o que eu penso disto, falar da solidão e abandono dos idosos, ou até mesmo falar sobre a solidão que eu mesmo sinto.
Quando eu cito você, eu estou prestigiando você, prestigiando seu trabalho. Sempre que possível irei incluir no texto minhas recomendações de leitura, tanto do original, como do aprofundamento ao tema discutido.

 

E se eu tiver mais dúvidas?


Tendo qualquer dúvida eu peço que por favor, me escreva. O email está ai no site, sua opinião é verdadeiramente importante para mim. Obrigado pelo carinho, e por ter lido até aqui.

Sílvio de Souza Lôbo Júnior

Deixe seu comentário

Todos os campos * são obrigatórios